O que é Bitcoin?

Compartilhar
O que é Bitcoin?

A tecnologia de computadores e redes avançou para seu estado atual através de uma propriedade universal dos dados digitais: eles podem ser facilmente copiados. Tudo, desde a web até processadores de texto e programação de redes, depende quase que inteiramente do fato de que uma série de bits pode ser copiada rápida e facilmente, a um custo próximo de zero.

Foi uma questão de tempo até que cientistas da computação e desenvolvedores começassem a se questionar sobre a outra parte do mercado de dados. E se os dados não pudessem ser copiados? E se existisse algo como uma peça única de dado ou informação que pudesse ser transmitida de usuário para usuário? As ramificações práticas dessas perguntas ficaram muito claras. Um tipo único de dado que não pudesse ser copiado poderia ser usado como dinheiro digital.

Foi assim que a primeira criptomoeda foi inventada. A maioria das pessoas tem pouco ou nenhum conhecimento com esse tipo particular de moedas digitais, e por isso devem se perguntar “o que é Bitcoin?” ou “como o Bitcoin funciona?”. A tecnologia subjacente das criptomoedas é um tópico complexo para a maioria de nós e é o que torna essas moedas tão únicas.

Devido à suas várias qualidades e funcionalidades, a palavra Bitcoin pode ser usada para definir muitas coisas diferentes. Primeiro, a Bitcoin como uma criptomoeda (BTC) é uma forma distribuída (P2P) de dinheiro digital. Segundo, essa rede econômica digital é operada por um conjunto de regras subjacente que é o Protocolo Bitcoin. Terceiro, o código-fonte (source code) deste protocolo e seu respectivo software - o qual está rodando em diversos computadores no mundo todo - também pode ser chamado de Bitcoin. Portanto, a palavra Bitcoin pode ser usada para se referir ao ecossistema como um todo, abrangendo todas as funcionalidades mencionadas anteriormente.


Blockchain 

O desafio de criar dados únicos e inalteráveis atormentou programadores desde os primeiros dias da era digital. Se os dados digitais podem ser tão facilmente alterados, quem é que vai dizer qual a versão legítima e verdadeira? Essa foi uma questão difícil e que tinha poucas respostas até o começo dos anos 90, quando Stuart Haber e W. Scott Stornetta criaram o primeiro arquétipo de uma blockchain. Eles foram os primeiros a aplicarem provas criptográficas como forma de tornar uma cadeia de blocos segura e prevenir adulteração de dados. O trabalho de Haber e Stornetta certamente inspirou o trabalho de Hal Finney e de muitos outros cientistas da computação, o que eventualmente levou à criação da Bitcoin. O whitepaper do Bitcoin foi publicado em 2008 pelo pseudônimo Satoshi Nakamoto.

Certamente, o surgimento da blockchain foi crucial para a concepção da Bitcoin e de outras criptomoedas como uma nova forma de dinheiro digital. Essencialmente, a estrutura da blockchain consiste de uma série de registros, bem parecido com um livro razão. O que torna a blockchain única é seu mecanismo de validação e proteção de tais registros.


Tecnologia Segura e Descentralizada

A tecnologia subjacente da Bitcoin é projetada para preservar a integridade dos dados e das transações. Primeiro, cada transação é assinada e verificada digitalmente através de técnicas criptográficas que garantem que os fundos não podem ser gastos mais de uma vez. Quando confirmadas como válidas, as transações são permanentemente registradas na blockchain através de um processo chamado de mineração (que envolve mais criptografia). Apesar de envolver muitos recursos, esse processo é crucial para manter o sistema da Bitcoin em segurança. Alterar a blockchain da Bitcoin exige que toda a estrutura anterior seja refeita, registro por registro, o que é algo praticamente impossível mesmo para os computadores mais potentes do mundo.

Outra camada importante de segurança se baseia no fato de toda informação da rede é distribuída através de uma infinidade de nós (network nodes) que estão espalhados pelo mundo (cada um mantendo uma cópia da blockchain). Isso significa que mesmo que os dados de um nó sejam alterados, os outros participantes da rede iriam rapidamente reconhecer aquele nó como corrupto, já que sua cópia da blockchain não iria combinar com nenhuma outra. Esse processo é controlado por um “algoritmo de consenso” chamado Proof of Work (Prova de Trabalho). 

Desfazer dúzias, centenas ou milhares de cópias de um mesmo conjunto de dados simultaneamente é muito mais difícil do que fazer isso apenas uma vez, e por isso os dados da blockchain são tão seguros. Além disso, um sistema de informação distribuído é muito mais resistente a falhas e ciberataques, já que ele não depende de um único banco de dados, ao contrário dos sistemas centralizados tradicionais.

A tecnologia da blockchain deu origem a um tipo único e incopiável de dado eletrônico, que também pode ser rastreado através de uma série de registros em um livro razão de uma rede distribuída. Isso levou a criação da Bitcoin como uma moeda digital protegida por criptografia e descentralizada

O Protocolo Bitcoin foi projetado para emitir um total de 21 milhões de moedas - nada além disso. Novas moedas são geradas através do processo de mineração (Bitcoin mining), o qual se baseia em funções criptográficas (hash functions) e é regulado pelo algoritmo de consenso Proof of Work (PoW).

Em outras palavras, a blockchain atua como um livro razão distribuído que registra todas as transações e que é altamente resistente a qualquer tipo de modificação e fraude. Os registros não podem ser alterados nem adulterados sem que uma quantidade impraticável de processamento computacional seja utilizada - o que significa que a rede pode garantir o conceito de documentos digitais “originais”, fazendo que cada Bitcoin seja única e incopiável como dinheiro digital.


O Poder de Dados Únicos

Quase tudo que temos hoje de tecnologia digital foi criado através de replicações de dados e informações preexistentes. Boa parte do poder tecnológico que teremos no futuro será criado pelo uso de dados únicos e da análise de suas interações. Transações financeiras complexas, por exemplo, serão muito mais precisas e muito menos propensas a erros de interpretação devido à invenções como a Bitcoin.

Moedas digitais já estão sendo usadas em uma variedade de contextos e como forma de pagamento para vários tipos de serviços e produtos. A tecnologia da blockchain permite que usuários executem transações financeiras com taxas significativamente menores, sem precisar confiar ou contar com a participação de intermediários, como bancos ou instituições financeiras.

Ademais, a blockchain garante uma cadeia de dados precisa e inalterável que pode ser auditada regularmente e preservada por décadas - o que a torna adequada para uma grande variedade de aplicações para além das financeiras.

Loading