Guia sobre Riscos Financeiros

Compartilhar
Copied to clipboard!
Guia sobre Riscos Financeiros
Ouça este artigo
00:00 / 00:00

Conteúdo


O que é risco financeiro?

Resumidamente, risco financeiro é o risco de perder dinheiro ou ativos valiosos. No contexto dos mercados financeiros, podemos definir risco como a quantidade de dinheiro que se pode perder ao negociar ou investir. Portanto, o risco não é a perda real, e sim o que pode eventualmente ser perdido.

Em outras palavras, muitos serviços ou transações financeiras contêm um risco inerente de perda e é isso que chamamos de risco financeiro. De modo geral, o conceito pode ser aplicado a uma série de contextos, como mercados financeiros, administração de empresas e organizações governamentais. 

O processo de avaliação e abordagem de riscos financeiros é geralmente chamado de gerenciamento de riscos. Mas, antes de mergulhar no gerenciamento de riscos, é importante ter um conhecimento básico sobre risco financeiro e seus vários tipos.

Existem várias maneiras de classificar e definir riscos financeiros. Alguns exemplos incluem risco de investimento, risco operacional, risco de conformidade e risco sistêmico.


Tipos de riscos financeiros

Como mencionado, existem várias maneiras de categorizar riscos financeiros e suas definições podem divergir significativamente, dependendo do contexto. Este artigo fornece uma breve visão geral dos riscos de investimento, operacionais, de conformidade e sistêmicos.


Risco de investimento

Como o nome sugere, os riscos de investimento são os relacionados às atividades de investimento e negociação. Existem várias formas de risco de investimento, mas a maioria está relacionada à flutuação dos preços de mercado. Podemos considerar riscos de mercado, liquidez e crédito como parte do grupo de riscos de investimento.


Risco de mercado

Risco de mercado é o risco associado ao preço flutuante de um ativo. Por exemplo, se Alice comprar Bitcoin, ela estará sujeita a risco de mercado porque a  volatilidade pode causar uma queda no preço. 

O gerenciamento de riscos de mercado começa considerando quanto Alice pode perder se o preço da Bitcoin se mover contra suas posições. O próximo passo é criar uma estratégia para definir como Alice deve agir em resposta aos movimentos do mercado.

Normalmente, investidores enfrentam riscos de mercado diretos e indiretos. O risco direto de mercado está relacionado à perda que um trader pode sofrer com uma mudança adversa no preço de um ativo. O exemplo anterior ilustra um risco de mercado direto (Alice comprou Bitcoin antes de uma queda de preço).

Por outro lado, o risco indireto de mercado refere-se a um ativo que apresenta um risco secundário (ou seja, menos evidente). Nos mercados de ações, o risco das taxas de juros geralmente afeta indiretamente o preço das ações, o que o torna um risco indireto.

Por exemplo, se Bob compra ações de uma empresa, suas participações podem ser indiretamente influenciadas pela flutuação das taxas de juros. A empresa terá mais dificuldade em crescer ou permanecer lucrativa devido ao aumento das taxas de juros. Além disso, taxas mais altas incentivam outros investidores a vender suas ações. Eles costumam fazer isso para usar o dinheiro para pagar suas dívidas.

Vale ressaltar, porém, que as taxas de juros impactam os mercados financeiros, direta ou indiretamente. Embora as taxas afetem as ações indiretamente, elas causam um impacto direto nos títulos e outros meios de renda fixa. Portanto, dependendo do ativo, o risco da taxa de juros pode ser considerado um risco direto ou indireto.


Risco de liquidez

Risco de liquidez é o risco de investidores e traders serem incapazes de comprar ou vender rapidamente um determinado ativo, sem sofrer com uma mudança drástica no preço.

Por exemplo, suponha que Alice comprou 1.000 unidades de uma criptomoeda por US$10 cada. Vamos supor que o preço permaneça estável e após alguns meses, a criptomoeda ainda esteja sendo negociada em torno do valor de US$10.

Em um mercado líquido de alto volume, Alice pode vender rapidamente sua quantia de US$10.000, porque há compradores suficientes dispostos a pagar US$10 por cada unidade. Mas, se o mercado não tiver liquidez suficiente, haveriam poucos compradores dispostos a pagar US$10 por cada ação. Então, Alice provavelmente teria que vender uma boa quantidade de suas moedas por um preço muito mais baixo.


Risco de crédito

Risco de crédito é o risco de um credor perder dinheiro devido à inadimplência da contraparte. Por exemplo, se Bob pede dinheiro emprestado a Alice, ela estará diante de um risco de crédito. Em outras palavras, existe a possibilidade de Bob não pagar Alice. Essa possibilidade é o que chamamos de risco de crédito. Se Bob não pagar, Alice perde dinheiro.

De uma perspectiva mais ampla, uma crise econômica pode ocorrer se o risco de crédito de um país se expandir para níveis incontroláveis. A pior crise financeira dos últimos 90 anos ocorreu, em parte, devido a uma expansão global do risco de crédito.

Naquela época, os bancos americanos tinham milhões de transações compensatórias com centenas de contrapartes. Quando o Lehman Brothers negligenciou, o risco de crédito se expandiu rapidamente em todo o mundo, criando uma crise financeira que levou à Grande Recessão.


Risco operacional

Risco operacional é o risco de perdas financeiras causadas por falhas em processos, sistemas ou procedimentos internos. Essas falhas são geralmente causadas por erros humanos acidentais ou por atividades fraudulentas intencionais. 

Para mitigar os riscos operacionais, toda empresa deve realizar auditorias de segurança periódicas, juntamente com a adoção de procedimentos sólidos e gerenciamento interno eficaz.

Houve inúmeros casos de funcionários mal gerenciados que conseguiram, sem autorização, utilizar fundos da empresa para negócios pessoais. Esse tipo de atividade costuma ser chamada de rogue trading e causou enormes perdas financeiras em todo o mundo - especialmente no setor bancário.

Falhas operacionais também podem ser causadas por eventos externos que afetam indiretamente as operações de uma empresa, como terremotos, tempestades e outros desastres naturais.


Risco de conformidade

O risco de conformidade refere-se a perdas que podem surgir quando uma empresa ou instituição não segue as leis e regulamentos de suas respectivas jurisdições. Para evitar esses riscos, muitas empresas adotam procedimentos específicos, como Anti-money laundering (AML) (anti-lavagem de dinheiro) e o Know Your Customer (KYC) (conheça seu cliente).

Se uma empresa não estiver em conformidade, ela poderá ser desligada ou sofrer sérias penalidades. Muitas empresas de investimento e bancos enfrentaram ações devido a falhas de conformidade (por exemplo, operando sem uma licença válida). O abuso de informações privilegiadas e a corrupção também são exemplos comuns de riscos de conformidade.


Risco sistêmico

O risco sistêmico está relacionado à possibilidade de um determinado evento desencadear um efeito adverso em um mercado ou setor. Por exemplo, o colapso da Lehman Brothers em 2008, desencadeou uma grave crise financeira nos EUA, que acabou afetando muitos outros países.

Os riscos sistêmicos são evidenciados pela forte correlação entre empresas que fazem parte do mesmo setor. Se a empresa Lehman Brothers não estivesse tão profundamente envolvida com todo o sistema financeiro americano, sua falência seria muito menos impactante.

Uma maneira fácil de lembrar o conceito de risco sistêmico é imaginar um efeito dominó, onde a queda da primeira peça, causa a queda de outras peças.

A indústria de metais preciosos experimentou um crescimento significativo após a Crise Financeira de 2008. Portanto, a diversificação é uma maneira de mitigar o risco sistêmico.


Risco sistêmico vs. sistemático

O risco sistêmico não deve ser confundido com risco sistemático ou agregado. O último é mais difícil de definir e se refere a uma gama mais ampla de riscos - não apenas financeiros. 

Os riscos sistemáticos podem estar relacionados a vários fatores econômicos e sociopolíticos, como inflação, taxas de juros, guerras, desastres naturais e mudanças nas políticas governamentais.

Essencialmente, o risco sistemático refere-se a eventos que impactam um país ou sociedade em vários setores. Isso pode incluir os setores de agricultura, construção, mineração, fabril, finanças e muito mais. Portanto, embora o risco sistêmico possa ser mitigado pela combinação de ativos com baixa correlação, o risco sistemático não pode ser mitigado pela diversificação de portfólio.


Considerações finais

Discutimos alguns dos muitos tipos de risco financeiro, incluindo riscos de investimento, operacionais, de conformidade e sistêmicos. Dentro do grupo de risco de investimento, apresentamos os conceitos de risco de mercado, risco de liquidez e risco de crédito.

Quando se trata de mercados financeiros, é praticamente impossível evitar completamente os riscos. A melhor coisa que um trader ou investidor pode fazer é mitigar ou controlar esses riscos de alguma forma. Portanto, entender alguns dos principais tipos de risco financeiro é um bom primeiro passo para a criação de uma estratégia eficaz de gerenciamento de riscos.

Loading